Archive for January, 2007

ressuscitar, nas ondas do mar

Ao Mar

Água, sal e vontade – a vida!
Azul – a cor do céu e da inocência.
Um lenço a colorir a despedida
Da galera da ausência…

Mar tenebroso!
Mar fechado e rugoso
Sobre um casto jardim adormecido!
Mar de medusas que ninguém semeia,
Criadas com mistério e com areia,
Perfeitas de beleza e de sentido!

Vem a sede da terra e não se acalma!
Vem a força do mundo e não te doma!
Impenitente e funda, a tua alma
Guarda-se no cristal duma redoma.

Guarda-se purificada em leve espuma,
Renda da sua túnica de linho.
Guarda-se aberta em sol, sagrada em bruma,
Sem amor, sem ternura e sem caminho.

O navio do sonho foi ao fundo,
E o capitão, despido, jaz ao leme,
Branco nos ossos descarnados;
Uma alga no peito, a flor do mundo,
Uma fibra de amor que vive e treme
De ouvir segredos vãos, petrificados.

Uma ilusão enfuna e enxuga a vela,
Uma desilusão a rasga e molha;
Morta a magia que pintava a tela,
O mesmo olhar de há pouco já não olha.

Na órbita vazia um cego ouriço
Pica o silêncio leve que perpassa…
Pica o novo feitiço
Que nasce do final de uma desgraça.

Mas nem corais, nem polvos, nem quimeras
Sobem à tona das marés…
O navio encalhado e as suas eras
Lá permanecem a milhentos pés.

Soterrados em verde, negro e vago,
Nenhum sol os aquece.
Habitantes do lago
Do esquecimento, só a sombra os tece…

Ela que és tu, anónimo oceano,
Coração ciumento e namorado!
Ela que és tu, arfar viril e plano,
Largo como um abraço descuidado!

Tu, mar fechado, aberto e descoberto
Com bússolas e gritos de gajeiro!
Tu, mar salgado, lírico, coberto
De lágrimas, iodo e nevoeiro!

Miguel Torga

Advertisements

Íntimas ligações implicam envolvimento afectivo


O sax alto Lee Konitz, que tive oportunidade de ouvir em Março de 2006 na Culturgest, como bem notou o Nuno do A Forma do Jazz, convidou um dos mais virtuosos pianistas da actualidade, Brad Mehldau (a cujo concerto de anteontem no CCB não tive possibilidade assistir – ao que parece – o público terá correspondido melhor que em Fevereiro de 2006, pois Mehldau é um músico extraordinário e merece as melhores plateias) e também o contrabaixo Charlie Haden (que salvo erro em 1990 no Coliseu dialogou com Mestre Carlos Paredes), juntaram-se em 1997 e 1999 para dois concertos, de que resultaram Alone Together e Another Shade of Blue.

Ouvir estes três discos é um puro exercício de comunhão espiritual. Sem exagero, pois não há música mais livre que o jazz.

Nomeações para os Óscares

Este ano, aqui o laureado António decidiu não publicar fotos das candidatas a melhor actriz principal; Só se fosse a Raimunda, mas com um nome destes… o melhor é despachar isto e entregar a coroa a Sua majestade, que merece ser rainha por uma noite!

Relativamente à escolha para actor principal, a tarefa está facilitada, pois nesta sala não se penduram posters de gajos; E como não vi nenhum dos filmes pelos quais os senhores estão nomeados, não tenho candidato. Talvez seja o ano de sorte deste rapaz que, já em The Departed – Entre Inimigos mostrou estar muito crescido como actor.

Mark Wahlberg, nomeado precisamente por The Departed – Entre Inimigos para melhor actor secundário (que aconteceu ao génio?), não deve ofuscar o excelente Alan Arkin em Little Miss Sunshine – Uma Família à Beira de um Ataque de Nervos – uma agradabilíssima surpresa nas nomeações para melhor filme, esta genial comédia!

Com uma concorrência destas, seria pedir demais ver a menina Olive receber o prémio para melhor actriz secundária! Por isso, para não haver reclamações, o boneco deve ir para a Amélia!
Um boneco que também fica (muito) bem entregue é o de melhor filme a The Departed. E não é por ser um filme grande…
O Apocalypto não foi nomeado para melhor filme em língua estrangeira? Estranho.

And the Oscar for Best Director goes to… ….!

Nominalmente



Este cais onde nominalmente a corda foi deslocada

fazia-me pensar que eu dissera a uma das vozes
que era uma junção. Mas vi partir à mesma distância
quilha, proa e centro. Começou o afastamento.
Aperfeiçoo as imagens que distinguem os lugares.
Água dispersiva, equidistância do sol, ambivalência
das margens. Cruel grito tradicional da gaivota,
no ponto onde adeja e pesca. Cada sentimento
acumula demasiadas referências para uma respiração.

Fiama Hasse Pais Brandão (1938-2007)

Postais de Sintra – Graffiti

Ligações perigosas

O Rei David comete adultério com a mulher de Uriah – a quem tenta em vão assassinar para esconder a sua culpa – mas é acusado pelo profeta Nathan. Como punição Divina, a criança morre ao fim de pouco tempo.

Porque deixou Ele que esta mulher tivesse uma criança nove meses dentro de si?
Misteriosos são os caminhos do Senhor…

O melhor tributo a um músico

É ouvir a sua obra.
Michael Brecker (1949 – 2007)

Michael Brecker Tenor Sax / Pat Metheny Guitars / Herbie Hancock Piano
Charlie Haden Bass / Jack Dejohnette Drums / With Special Guest: James Taylor vocals