Archive for November, 2006

Desconstruindo a Santa Inquisição

1. Sede do CDS-PP vandalizada
Os responsáveis pelos actos de vandalismo rasgaram os quadros, destruíram as maquetas e as esculturas e ainda pintaram as paredes exteriores com grafitis insultuosos.
Não têm suspeitos pese embora “as tintas usadas para pintar as paredes sejam de cor vermelha”. Os grafitis deixados nas paredes continham vários insultos políticos a dirigentes do partido com palavrões.

Não fique zangado, Luis, pois eles sabem o que fazem.


2. Deus nos livre dos católicos
Sabia que a deputada Ana Manso, do PSD, é “católica” e por isso a favor do aborto? Eu também não.

Não há nada como “falar claro”. Senão, leia-se o fascínio da estigmatização segundo Pedro Picoito. E havia necessidade de meter o Bosch ao barulho?

Advertisements

“The Soul of Fado”


Tributo de Guus Slauerhoff ao universo do Fado, entendido no quadro da sua plena universalidade.
O fascínio pelo fado levou-o a visitar Lisboa por várias vezes, nos anos de 2004 e 2005.
Alfama, bairro repleto de segredos históricos, e o Museu do Fado que aí se encontra, ganharam para ele um interesse primordial.
Durante as suas estadas em Lisboa, desenhou fadistas nas casas de fado e vagueou quotidianamente por Alfama, cuja ambiência conseguiu assim encontrar mais de perto.

A arte plástica de Guus Slauerhoff quer representar aquela vivência e experiência do fado, tocando-as, explorando-as, tornando-as palpáveis e visíveis como uma nova dimensão do fado.

“Os meus quadros contam uma história. São uma espécie de ícones de esperança”, diz o artista no vídeo que acompanha a exposição. “Nunca houve um artista como eu que manifestasse desta forma este interesse pelo fado. Gosto de calcorrear as ruelas, de ouvir os intérpretes do fado vadio. Há sempre uma lua no céu, um cão que ladra, um galo a cantar.. Acho isto uma experiência muito valiosa. Eu sou fado, deambulo aqui como o fado, a minha vida é fado”.

Paralelamente às suas pinturas, Guus Slauerhoff criou objectos com materiais que “são uma espécie de atributos da vida”.

Exemplo disso são uns sapatos, que comprou por um euro na feira da ladra, e que o artista deu nova vida caligrafando neles uma letra de fado e baptizando-os de “sapatos de fado”. Porque, como confessa, “o fado possibilita-nos, enquanto seres humanos, contar a poesia intensamente profunda da vida”.

A Exposição The Soul of Fado (a alma do fado) inclui 18 pinturas, 14 desenhos, cinco esculturas e ainda trabalhos de colagem e de ensemblage.
De 16 de Novembro a 16 Janeiro de 2007, no Museu do Fado

fonte: JN

in utero


Através da combinação de scans de ultra-som tridimensionais, computação gráfica e micro-câmaras , a Pionner Productions realizou uma série de vídeos que permitem acompanhar o processo de desenvolvimento dos fetos de animais… e não só!

Podemos ver um minúsculo e perfeito elefante de 16 semanas – cujo período de gestação é de dois anos, um golfinho a aprender a nadar na barriga da mãe e como um feto de cachorro com apenas 63 dias possui já olfacto e audição apurados .
Passa no National Geographic Channel em Dezembro.

pessoal e transmissível


O blog Geração Rasca lança o desafio para a eleição dos melhores blogues de 2006, mas com certas e determinadas regras!

Entre os méritos da simpática iniciativa está a possibilidade de descobrir novas paisagens, bem como vencer alguma (muita) preguiça em deambular pela blogosfera nos últimos tempos.

Na impossibilidade de conhecer todos os nomes-próprios e/ou perífrases da bloga, esta escolha resulta unicamente de afinidades e gostos pessoais.

MELHOR BLOG INDIVIDUAL FEMININO
Abrigo de Pastora
Blogzira
Divas & Contrabaixos
Eclético
Erotismo na Cidade
Pecola

MELHOR BLOG INDIVIDUAL MASCULINO
Blue Lounge
Estação Central
Je Maintiendrai
Ma-Schamba
Sobre o tempo que passa
Uma sandes de atum

MELHOR BLOG COLECTIVO
Blasfémias
Bitaites
Dias com árvores
O Futuro Presente
O Insurgente
Tugir

MELHOR BLOG TEMÁTICO
Divulgando Banda Desenhada
Noite Americana
Coisas de outros tempos
Estrela Cansada
Leituras
O Século Prodigioso

MELHOR BLOG 2006
Almocreve das Petas
Câmara Corporativa
Da Literatura
Educação Sentimental
french kissin`
Miniscente

MELHOR BLOGGER
Eduardo Pitta
José Manuel Fonseca
Jorge Ferreira
Rodrigo Adão Fonseca
Rui Albuquerque
Paulo Ferrero

uma obra-prima para admirar enquanto se está VIGO

Um Inverno difícil: Dezembro de 1933.
Um realizador teimoso e doente: Jean Vigo.
Um produtor inexperiente e opinativo: Jacques-Louis Nounez. Dois actores célebres: Michel Simon, que tinha acabado de se impor com “Jean de la Lune” e “Boudu Sauvé des Eaux”, e Dita Parlo, vedeta berlinense.
Um terceiro protagonista, amigo de Vigo e também herói da sua média-metragem proibida, “Zéro de Conduite”, Jean Dasté.
Um argumento minimalista, púdico e violento ao mesmo tempo; a esposa de um marinheiro que o troca por um bufarinheiro.
Um director de fotografia inspirado: Boris Kaufman.
Um músico de talento: Maurice Jaubert.
E uma obra-prima mítica: L’ ATALANTE.
Começa então a maldição deste filme. 5 de Outubro de 1934: Jean Vigo, extremamente esgotado pela rodagem e sofrendo de septicemia, morre. Tinha vinte e nove anos e deste filme não viu senão uma primeira montagem…

Um filme de Jean Vigo Com Michel Simon, Dita Parlo, Jean Dasté
Extras do dvd: De L’ Atalante a L’ Atalante – A história de um restauro.


Em L’Atalante, o visionário Jean Vigo combina o experimentalismo surrealista e uma nova perspectiva do detalhe para, numa nova linguagem cinematográfica – até então só visível em Murnau -, contar uma história de encontros e desencontros amorosos de gloriosa simplicidade, enquanto nos mostra Paris com uma luminosidade que só encontramos em Cartier Bresson.

São quatro, as obra-primas poéticas do diretor Jean Vigo:
A Propos de Nice, 1929 / Taris, Roi de L’eau,1931 / Zero de Conduite, 1933 e L’Atalante, 1934

L’ Atalante será exibido a 10 de Fevereiro de 2007 no Grande Auditório da Gulbenkian, integrado no Ciclo 50 filmes inesquecíveis.

Sobre a ressurreição do filme, leitura recomendada: “Je force le spectateur…” Jean Vigo


Jean VIGO

Cinéaste français, d’origine catalane, né à Paris le 24 avril 1905.
Fils de l’anarchiste Eugène-Bonaventure de Vigo, plus connu sous le nom de Miguel de Almereyda, Jean Vigo a laissé dans sa trop brève, mais fulgurante carrière l’empreinte d’une œuvre incandescente, poétique et fraternelle, sans concessions “à la loi des forains”.
Ses écrits, comme ses films, témoignent d’une volonté farouche et passionnée de concilier la poésie des images et le désir de justice sociale ; l’approche chaleureuse des êtres et la révolte contre le désordre établi et ses “éternels voleurs d’énergie”.
Sa vie de météore souffrant est hantée par les violences criminelles du monde et habitée par une soif rebelle de vivre et d’aimer.
Il meurt à Paris le 5 octobre 1934.

O desdém da mediocridade


AMADEO DE SOUSA-CARDOSO chegou a Paris em Novembro de 1906, alguns meses depois de Modigliani. Neste período, morria Cézanne, enquanto Picasso pintava «Les Demoiselles d`Avignon».
Em Montmartre, nos ateliers de boémia e miséria, começava uma nova época da pintura ocidental; Em Montparnasse, Amadeo procurava nos ateliers do Boulevard Raspail a admissão às «Beaux-Arts», no seguimento dos estudos iniciados em 1905, na Academia das Belas-Artes em Lisboa.

Desde cedo, Manuel Laranjeira, médico no Porto, exerceu grande influência, no plano intelectual e humano, na evolução do jovem Amadeo, a quem via nos verões da praia de Espinho, onde seus pais tinham casa. As tertúlias no Café Chinês, os passeios e a troca de correspondência tornariam Amadeo seu confidente.

Manuel Laranjeira tinha perante a arte um sentimento de raiz literária da Renascença Portuguesa, entre névoas e saudades.

Este melancolismo não afectava Amadeo, antes lhe provocava desgosto pela futilidade da vida que levava; O tédio das cópias a carvão no casarão do Largo da Biblioteca, as caricaturas de professores e colegas, fraca compensação da mediocridade que deixara em Lisboa e Porto.

Fernando Pessoa chegava a Portugal , Santa-Rita pintava o «Orfeu do Inferno» e Almada Negreiros tinha dez anos de idade.

Amadeo, a quem Manuel Laranjeira vaticinara que «haveria de vencer, haveria de triunfar», desenhou o corpo do amigo enrodilhado numa cadeira de café, abandonado, escorregando, um braço estirado sobre o tampo, outro torcido para as costas da cadeira, as pernas magras torcidas e a trunfa negra saindo do chapeirão enfiado pela cabeça abaixo, boneco desarticulado, só de costas e à deriva do destino…


No verão de 1907, Amadeo abandonava os estudos na Escola de Arquitectura, enquanto confessava que, longe de ter perdido tempo por concluir não ter vocação, antes tinha alargado os seus conhecimentos artísticos , cuja utilidade se reflectia na sua evolução natural enquanto caricaturista.

Durante esse tempo, ia estudando os modelos da imprensa parisiense; Ao contrário de outros artistas portugueses que nesse período também estudavam em Paris, como Emmerico Nunes, Manuel Bentes, Acácio Lino, Alfredo Ferraz – modernistas e naturalistas – adquiria um traço mais sintético, de melhor definição formal, fruto da liberdade de quem não dependia dos desenhos para viver.

Em noitadas de sacrifício a Baco, Amadeo, desnudado, fazendo peito, coroa de parras na cabeça e garrafas ao pé; a seu lado, Bentes, Alberto e Emmerico faziam figuração, repetindo poses dos «borrachos» de Velasquez. Devia ser bonito de ver…


Na caricatura de 1910, juntamente com os colegas Manuel Bentes, Eduardo Viana e Emmerico, Amadeo é um rapaz empertigado, o busto envolvido numa capa que lhe esconde parte do rosto, um chapéu sobre os olhos, de pose espanholada.

Assim ele se via na autocaricatura; de peito arqueado e alargando os braços e as mãos enluvadas, caminhando nas pontas da botas para impor uma estatura que não era a sua.

a partir de Amadeo & Almada, de José Augusto França – Bertrand Editora


Será porventura a Exposição mais importante do ano (na Gulbenkian), pela importância da obra de Amadeo Sousa-Cardoso; A expectativa reside em saber se consegue rivalizar com esta.

Lisbon Underground Music Ensemble

Com alguns dos músicos mais experientes da cena Jazz e da música Erudita, o Lisbon Underground Music Ensemble apresenta um espectáculo intenso e enérgico, rico em sonoridades que vão das mais caóticas e explosivas improvisações aos mais subtis ambientes cinematográficos.

O compositor Marco Barroso dirige esta formação de 15 músicos interpretando um conjunto de obras que atravessam os mais variados contextos estéticos; da Música Erudita, Contemporânea, ao Jazz, Rock, Funk, Transe entre outros; aliando a música escrita e a complexidade dos arranjos com a improvisação.

Biografia dos músicos:

Formação
Marco Barroso – Direcção, composição e piano
Flauta – Manuel Luís Cochofel
Clarinete – Paulo Gaspar
Sax Soprano – Jorge Reis
Sax Alto – João Pedro Silva
Sax Tenor – José Menezes
Sax Baritono – Elmano Coelho
Trompetes: Jorge Almeida/ João Moreira/Pedro Monteiro
Trombones: Luis Cunha/ Eduardo Lála/ Pedro Canhoto
Piano – Marco Barroso
Contrabaixo/Baixo Electrico – Yuri Daniel
Bateria – Pedro Silva

Concertos:
Dia 23 de Novembro às 18h30 – Trem Azul Jazz Store – Lisboa
Dia 25 de Novembro às 21h30 – Teatro Académico Gil Vicente – Coimbra