Archive for June, 2006

Entre velhos amigos

Outono Inglês

Não para ver a luz que dos céus desce,
incerta nestes campos,
mas por ver a luz que, do escuro centro da terra,
às folhas sobe e abrasa.
Não saí para ver a luz do céu
mas a luz que das árvores nasce.
Hoje o que meus olhos vêem
não é uma cor que a cada instante sua beleza muda
e agora é tocha de ouro,
voraz incêndio, fumarada de cobre,
onda mansa de cinza.
Hoje o que os meus olhos vêem
é a profunda mudança da vida na morte.
Este esplendor tranquilo
é o acabamento digno de uma perfeita criação,
ainda mais se se descobre
a consumpção dolorosa dos homens,
apenas semelhantes em sua funda solidão,
mas com sofrimento e sem beleza.

O homem bem queria que sua morte
não carecesse de certeza alguma
e assim reflectiria em seu sorriso,
como o campo esta tarde,
uma tranquila espera.

(Beleza do dorminte
que imperceptível o mundo peito agita
para se erguer depois com maior vida;
como na primavera as águas do campo.)

Como na primavera…?
Não é o que vejo, então, perturbação da morte,
mas o sonhar da árvore, que despe
sua fronte de folhagem,
e assim cristalina penetra a funda noite
que lhe dará mais vida.

É lei fatal do mundo
que toda a vida acabe em podridão,
e a árvore morrerá, sem nenhum esplendor,
pois o raio, o machado ou a velhice
hão-de abatê-la para sempre.
Na simulada morte que contemplo
tudo é beleza:
o estertor fatigado das aves,
a gritaria de uns cães velhos, a água
deste rio que não corre,
meu coração, mais pobre agora do que nunca,
porque mais ama a vida.

As asas gastas da noite vão caindo
sobre este vasto campo de cinza:
cheira a carniça humana.
A luz tornou-se negra, a terra é pó somente, chega um vento
muito frio.
Se fosse morte verdadeira a deste bosque de ouro
só haveria dor
se um homem contemplasse a queda.
E chorei a perda do mundo
ao sentir em meus ombros e nos ramos
do bosque duradouro
o peso de uma mesma escuridão.

poema de Francisco Brines
Palabras a la Oscuridad (1966)
in Ensayo de una despedida – Antologia (1960-1986)

O direito do mais forte à liberdade

Os corpos de duas meninas, desaparecidas na madrugada de 10 de Junho em Liège, foram esta quarta-feira encontrados pelas autoridades na cidade, a vinte metros um do outro, anunciaram as televisões belgas.

Não peço desculpa por não conceber que numa qualquer sociedade dita civilizada, as pequenitas Stacy Lemmens e Nathalie Mahy, possam ser asssassinadas, os seus carrascos cumprirem uns anitos de pena e continuarem as suas vidinhas.

Com casos como o de Marc Dutroux, a Europa demonstrou até que ponto Justiça e Liberdade podem ser conceitos antagónicos.

Até quando?

Los Comediants

Imagino que provar do próprio veneno não deve dar saúde a ninguém…

Menosprezar um dos melhores jogadores do mundo pode mesmo ser fatal!

Et pour cause, a armada espanhola vai para casa com 3 pommes de terre

E no sábado, claro está, vão torcer pelos hermanos lusos.. não?!

Portugal nos quartos de final do Campeonato do Mundo

Eu sei que hoje é dia de Selecção Nacional, mas…

Sporting Clube de Portugal
Campeão Nacional Iniciados 2005-2006

Retratos do Trabalho – Mexilhoeira da Carregação

ao encontro do criador

Neste início de verão, com as temperaturas a subir e o Mundial de Futebol a começar a ferver, A Bedeteca oferece uma proposta que é uma verdadeira brisa, ao abrir os jardins para a 4º Feira Laica, a maior Feira de Fanzines e Edições Independentes que se realiza em Portugal.
A oferta é completada com discos em 2ª mão, artesanato urbano, animação infantil e… petiscos.

Mais detalhes, no recém-chegado e altamente recomendável Imprensa Canalha