Archive for March, 2005

Marionetas com vida própria

America – The Land of Opportunities!
Mas nem sempre é assim. Quando os sonhos se diluem na realidade por vezes cruel, muitas vezes cruel, as verdades adquiridas transformam-se numa coisa desprovidada de sentido crítico.
A frustação dá lugar à revolta, e esta ao sentimento insane de vingança.
Contra nada. Contra tudo.

Estamos em 1974. O Presidente Nixon personifica o ideal americano.
Será nele que Samuel Bicke tentará descarregar a sua frustração, depois de um casamento falhado, de uma carreira profissional na qual se não revê.. e por fim, o colapso!

A densidade da personagem possibilita mais uma vez a Sean Penn a oportunidade de um desempenho notável, quase asfixiante.



Slavery never really ended in this country.
They just gave it another name. Employee.


Posted by Hello
Certainty is the disease of kings.

The Assassination of Richard Nixon, de Niels Mueller
Sean Penn – Samuel Bicke
Naomi Watts – Marie Bicke
Don Cheadle – Bonny Simmons

Celebração da vida


Jan Vermeer
The Glass of Wine, 1658-1660

Soneto del vino

¿En qué reino, en qué siglo, bajo qué silenciosa
conjunción de los astros, en qué secreto día
que el mármol no ha salvado, surgió la valerosa
y singular idea de inventar la alegría?

Con otoños de oro la inventaron. El vino
fluye rojo a lo largo de las generaciones
como el río del tiempo y en el arduo camino
nos prodiga su música, su fuego y sus leones.

En la noche del júbilo o en la jornada adversa
exalta la alegría o mitiga el espanto
y el ditirambo nuevo que este día le canto

otrora lo cantaron el árabe y el persa.
Vino, enséñame el arte de ver mi propia historia
como si ésta ya fuera ceniza en la memoria.

Jorge Luis Borges

declaração de interesses

Autenticidade precisa-se!


Aquilino, de Artur Bual

O Mestre Artur Bual será homenageado na terceira edição da Feira de Arte Contemporânea do Estoril, que decorrerá entre 14 e 18 de Abril no Centro de Congressos. A não perder!

Ainda pior que a convicção do não, é a incerteza do talvez, é a desilusão de um quase!
É o quase que me incomoda, que me entristece, que me mata trazendo tudo que poderia ter sido e não foi.
Quem quase ganhou ainda joga, quem quase passou ainda estuda, quem quase amou ainda ama .
Basta pensar nas oportunidades que escaparam pelos dedos, nas chances que se perdem por medo, nas ideias que nunca sairão do papel por essa maldita mania de viver no outono.
Pergunto-me, às vezes, o que nos leva a escolher uma vida morna.
A resposta eu sei de cor, está estampada na distância e na frieza dos sorrisos, na frouxidão dos abraços, na indiferença dos “bom dia”, quase que sussurrados.
Sobra covardia e falta coragem até para ser feliz.
A paixão queima, o amor enlouquece, o desejo trai.
Talvez esses fossem bons motivos para decidir entre a alegria e a dor.
Mas não são.
Se a virtude estivesse mesmo no meio-termo, o mar não teria ondas, os dias seriam nublados e o arco-íris em tons de cinza.
O nada não ilumina, não inspira, não aflige nem acalma, apenas amplia o vazio que cada um traz dentro de si.
Preferir a derrota prévia à dúvida da vitória é desperdiçar a oportunidade de merecer.
Para os erros há perdão, para os fracassos a oportunidade, para os amores impossíveis tentativa.
De nada adianta cercar um coração vazio ou economizar alma.
Não deixes que a saudade sufoque, que a rotina acomode, que o medo impeça de tentar.
Desconfia do destino e acredita em ti.
Gasta mais horas a realizar do que a sonhar… A fazer que planear… A viver do que a esperar…
Porque, embora quem quase morre esteja vivo, quem quase vive já morreu.

Luís Fernando Veríssimo

O poeta pede a seu amor que lhe escreva

Amor de minhas entranhas, morte viva,
em vão espero tua palavra escrita
e penso, com a flor que se murcha,
que se vivo sem mim quero perder-te.

O ar é imortal. A pedra inerte
nem conhece a sombra nem a evita.
Coração interior não necessita
o mel gelado que a lua verte.

Porém eu te sofri. Rasguei-me as veias,
tigre e pomba, sobre tua cintura
em duelo de mordiscos e açucenas.

Enche, pois, de palavras minha loucura
ou deixa-me viver em minha serena
noite da alma para sempre escura.

Federico Garcia Lorca

A Festa do Jazz no S. Luiz

A 3ª Festa do Jazz no Teatro de S. Luiz – ao Chiado, realiza-se no próximo fim-de-semana.
Não tive oportunidade de ir nos anos anteriores, vamos a ver se este ano dá para ir!
É sempre interessante conhecer o jazz que se faz em Portugal.

Nos dias 2 e 3 de Abril haverá espectáculos – entre a sala principal, a sala estúdio Mário Viegas, o Jardim do Inverno e o Café dos Teatros, reúnem-se alguns dos nomes mais da cena jazz, como Maria João e Mário Laginha, o Quinteto de Pedro Moreira e Carlos Barreto.

Iluminura medieval

Ecce Homo