Archive for December, 2004

Les Aventures de Tintin au blog du Luminescent

Mas?! Com mil milhões de macacos!

Como raio é que se vai para esse 2005?!

Bom, vamos lá!

– Vamos! Rápido! Esse tratante não pode estar longe!

– Direi mesmo mais: Ele não pode estar longe!

– Ali! Lá está ele!

– Não há dúvida, é ele!

Yuupiiie!! Eureka!!



Viva 2005!


Advertisements

comidinha boa!



Posted by Hello clique na imagem para ampliar

A foto foi tirada dentro do restaurante hoje(ontem) ao almoço, e corresponde a uma das montras.



O Porto D`Abrigo fica ali ao Cais do Sodré, uns metros à frente do British Bar.

Desde sempre os mesmos empregados, camisa branca, guardanapo de pano na mão, serviço atencioso, comida caseira..

De entrada, uma Freirinha, que é uma espécie de empada de legumes com gambas; vai a gratinar e é servida numa concha de ostra.

As sopas são sempre muito boas.. e não passo sem sopinha à refeição!

O meu prato preferido é o pato com molho de azeitonas.

O pato é servido em pedaços, com a pele estaladiça.. o molho que cobre o pato é feito com as miudezas e pequenos pedaços de azeitonas pretas. Delicioso.

Acompanha com batata frita às rodelas finas, arroz de miúdos e esparregado.

O vinho da casa, um tinto de Trancoso – Beiras, é muito razoável e recomenda-se.

Preço entre 10 e 12 euros/pessoa.

Um dos antigos restaurantes da zona ribeirinha de Lisboa, ao qual é sempre um prazer voltar!

breve pensamento cosmológico..

Os caminhos que cultivamos ao correr da vida fazem parte da natureza humana..

Em grande medida, é ao longo deste percurso que encontramos a nossa real natureza, os nossos princípios, o nosso equilíbrio.

Que aconteceria se os caminhos fossem diferentes? Não importa..

Não creio em caminhos pré-determinados, mas sim em cada um de nós como ponto de partida.. e de intersecção!



Posted by Hello clique na imagem para ampliar



Hoje de manhã saí muito cedo,

Por ter acordado ainda mais cedo

E não ter nada que quisesse fazer…

Não sabia por caminho tomar

Mas o vento soprava forte, varria para um lado,

E segui o caminho para onde o vento me soprava nas costas.

Assim tem sido sempre a minha vida, e

assim quero que possa ser sempre —

Vou onde o vento me leva e não me

Sinto pensar.

Alberto Caeiro, Poemas Inconjuntos

Resistência Activa, ou A Idade dos Porquês!

Houve uma altura em que comprava com frequência.. depois, a intermitência e consequente infidelidade justificava-se pela paixão pelo jazz..

Mais recentemente, talvez fruto de maior divulgação, voltei a dar alguma atenção a este ícone dum certo género de imprensa, que nos dá música há 20 anos!



Posted by Hello

Esta edição especial comemorativa dos 20 anos do Blitz é para guardar!

Um Euro bem investido!

Contém uma lista dos melhores álbuns portugueses de sempre, fruto de uma votação de músicos, editores, jornalistas..

..Onde encontramos, para além dos clássicos, os Ocaso Épico, Mler Ife Dada, Pop Dell´Arte, Ornatos Violeta! Que cena!

A selecção de textos que compõem as rubricas 20 anos em capas, twilight zone e 20 anos em revista.. são autênticas pérolas!

É muito interessante a oferta do Calendário para 2005, com fotos de 24 bandas portuguesas, que ao longo deste ano tiveram especial destaque, como os Great Lesbian Show, Blasted Mechanism – talvez uma das mais criativas bandas da actualidade, os Da Weasel, Fonzie, Rodrigo Leão, Hipnótica, Gomo, Pluto, Loto, Zen..

O Blitz está de parabéns!

Então não era uma passagem de ano e.. renas?!

Quero lá saber dos 10º negativos..

Vá-se lá saber porque me lembrei de.. Kuusamo, Lapónia – cerca de 800 km a norte de Helsínquia, mesmo junto à fronteira com a Rússia.

Durante a Segunda Guerra, conjuntamente com Paris e Londres, Helsínquia foi uma das três capitais que não foram ocupadas, embora tenham sofrido na pele o efeito das ideias avançadas do senhor Estaline.. mas isso é outra história!





Posted by Hello

Só esta região tem cerca de 4000 lagos.. como este!

Uma manhã inteira a ripar em cima dum snowmobile neste cenário..

É um acontecimento, sem dúvida!



Posted by Hello Hotel Rantasipi Rukahovi, Ruka

E o hotel não pode estar melhor localizado! É só atravessar a rua e.. pistas com eles!

Nem me quero lembrar.. ainda estou para saber como saí de lá inteiro!

Ranhoso!

Ranhoso.. porque estou desde sábado com uma grande carraspana..

Ranhoso.. porque tenho desde sábado uma Nikon 5700..



Posted by Hello

Vou ser um bom aluno e aprender a tirar partido desta dádiva da tecnologia..

Porque talento já tenho de sobra.. eheh!

Onde Nascem Os Sonhos

A estrela



Eu caminhei na noite

Entre silêncio e frio

Só uma estrela secreta me guiava

Grandes perigos na noite me apareceram

Da minha estrela julguei que eu a julgara

Verdadeira sendo ela só reflexo

De uma cidade a néon enfeitada

A minha solidão me pareceu coroa

Sinal de perfeição em minha fronte

Mas vi quando no vento me humilhava

Que a coroa que eu levava era de um ferro

Tão pesado que toda me dobrava

Do frio das montanhas eu pensei

«Minha pureza me cerca e me rodeia»

Porém meu pensamento apodreceu

E a pureza das coisas cintilava

E eu vi que a limpidez não era eu

E a fraqueza da carne e a miragem do espírito

Em monstruosa voz se transformaram

Disse às pedras do monte que falassem

Mas elas como pedras se calaram

Sozinha me vi delirante e perdida

E uma estrela serena me espantava

E eu caminhei na noite minha sombra

De desmedidos gestos me cercava

Silêncio e medo

Nos confins desolados caminhavam

Então eu vi chegar ao meu encontro

Aqueles que uma estrela iluminava

E assim eles disseram: «Vem connosco

Se também vens seguindo aquela estrela»

Então soube que a estrela que eu seguia

Era real e não imaginada

Grandes noites redondas nos cercaram

Grandes brumas miragens nos mostraram

Grandes silêncios de ecos vagabundos

Em direcções distantes nos chamaram

E a sombra dos três homens sobre a terra

Ao lado dos meus passos caminhava

E eu espantada vi que aquela estrela

Para a cidade dos homens nos guiava

E a estrela do céu parou em cima

de uma rua sem cor e sem beleza

Onde a luz tinha a cor que tem a cinza

Longe do verde azul da natureza

Ali não vi as coisas que eu amava

Nem o brilho do sol nem o da água

Ao lado do hospital e da prisão

Entre o agiota e o templo profanado

Onde a rua é mais triste e mais sozinha

E onde tudo parece abandonado

Um lugar pela estrela foi marcado

Nesse lugar pensei: «Quanto deserto

Atravessei para encontrar aquilo

Que morava entre os homens e tão perto»



Sophia de Mello Breyner Andresen, Livro Sexto (1962)